Porto de Itajaí se prepara para expansão e novo modelo de concessão

Porto de Itajaí

Texto por Porto gente – Em entrevista, Fábio da Veiga se mostra entusiasmado com o futuro do Porto de Itajaí, indicando vantagens como dragagem em dia, boa tarifa e estrutura impecável.

Confira também no blog da SQ Química: Porto de Itajaí implanta sistema de monitoramento meteorológico para o tráfego aquaviário

O atual superintendente do Porto de Itajaí é o advogado Fábio da Veiga. Nesta entrevista especial ao Portogente, ele fala sobre os atuais projetos do porto catarinense. O executivo está otimista com as expectativas de ampliação da área operacional e de uma gestão a partir da nova concessão, que vem sendo analisada em Brasília. Sobre essa questão, a Assessoria de Comunicação da Superintendência do Porto de Itajaí (SPI) esclareceu que o processo de privatização/concessão do Porto está em análise no Ministério da Infraestrutura e que não é possível avaliar, ainda, se haverá impacto nas tarifas portuárias.

Quais são os projetos do Porto de Itajaí diante do cenário econômico do País, considerando produção, emprego, importação e exportação?

Veiga – A economia já tem dado sinais de recuperação, o que nos traz alívio para a recessão que o País tem passado. Vemos que a movimentação portuária no complexo é muito rápida quando a economia dá sinais de breves de recuperação. Isso demanda ainda mais urgência no programa de expansão portuária, pois com a recuperação do cenário econômico acreditamos que rapidamente novos usuários e novos armadores venham a trazer suas cargas para serem movimentadas em Itajaí. Diante disso, pretendemos dar continuidade ao processo de recuperações das instalações portuárias, pois já está em andamento a realização de processos executivos para melhoria na infraestrutura existente, seja ela de drenagem, de iluminação, de avanços na área de tecnologia de informação. Por outro lado, ressaltamos que o processo de expansão portuária e a nova concessão continuam firmes e fortes, andando de forma muito técnica junta aos órgãos competentes em Brasília.

Quais vantagens operacionais, territoriais e tarifárias o Porto oferece para seus usuários nacionais e também internacionais e diferencial do Porto?

Veiga – Como vantagem operacional, apontaria a regularidade da infraestrutura ofertada, como o canal de acesso ao Porto. A SPI se notabiliza por ser uma das únicas, ou praticamente a única autoridade portuária do País, que mantém, de forma regular e perene, há aproximadamente duas décadas, a dragagem de manutenção do seu canal de acesso. Isso faz com que os armadores tenham a garantia que suas embarcações acessarão o porto com um canal profundo, mantendo a mesma profundidade e com as melhorias de segurança em navegação que vêm sendo realizadas ao longo dos dois últimos anos em referência as análises hidrográficas, tanto com corrente, maré, tempo de onda, vento. Isso garante uma grande segurança às operações e aos armadores.

Já como vantagem territorial Itajaí oferece aos usuários nacionais e internacionais uma localização privilegiada, pois na área de atuação do porto de aproximadamente de 500km atendemos basicamente 50% do PIB nacional. Além disso, Itajaí está hoje na confluência da BR-101 e da BR-470, tem um aeroporto próximo e uma grande estrutura logística na sua retroáreas, com outros seis terminais de uso privado, outros cinco Clears e dezenas de terminais retroportuários.

Itajaí se notabiliza por ser o segundo ou terceiro maior setor de infraestrutura logística brasileira. O Porto mantém uma estrutura tarifaria enxuta, módica e, quando teve sua revisão no final do ano de 2018, foi para apresentar as melhorias de infraestrutura, que foram realizadas principalmente com o acesso do canal hidroviário e também da Nova Bacia de Evolução, que vai facilitar ainda mais a utilização dos usuários ao Porto de Itajaí.

Quais são os objetivos e metas a serem alcançados ainda, no sentido de incremento da gestão e dos negócios?

Veiga – Para o futuro, temos prevista uma grande ampliação na área primaria do Porto, onde basicamente sairemos de 140 mil m² para 310 mil m². Isso nos colocará, tanto na área arrendada como área pública, como um dos melhores e mais modernos terminais portuários do Brasil.

É um processo que tem caminhado em passos largos juntos à Secretaria Nacional de Portos (SNP), do Ministério da Infraestrutura; à Advocacia-Geral da União [AGU] e Programa de Parcerias de investimentos [PPI] do Governo Federal. Muito provavelmente em 2020 teremos um edital para o novo ciclo de concessão ou arrendamento do Porto, já com esse novo cenário de aumento de área, com uma modernização expressiva nos equipamentos, o que permitirá um novo ciclo de pujança financeira e de infraestrutura logística do Porto de Itajaí nas próximas três décadas.

Fonte original do texto: Porto Gente

Confira também no blog da SQ Química: Abiquim e FGV promovem Seminário “Competitividade e Política de Defesa Comercial”