Como fazer descarte de tintas?

Texto por Ecycle Na hora de descartar esses produtos químicos é necessário ter cuidados especiais. Como fazer descarte de tinta? Essa é aquela pergunta que a gente acha que nunca vai fazer, mas isso é só até a reforma acabar.

Confira também no blog da SQ Química: Importação de energia pelo Brasil em 2018 é a maior em 17 anos, indicam dados do ONS

Mas antes de fazer uma reforma é preciso estar informado sobre o que fazer com restos de tinta, assim como restos de verniz e solvente; para evitar causar danos ao meio ambiente e efeitos nocivos às pessoas.

Segundo Zilda Veloso, gerente de Resíduos Sólidos do Ministério do Meio Ambiente (MMA), o descarte indevido das sobras de alguns materiais químicos pode gerar sérios problemas. “Os restos de tinta, verniz e solvente podem ser absorvidos pelo solo ou atingir as águas subterrâneas, contaminando o lençol freático”, explica. Ainda segundo a especialista, o descarte em bueiros, pias e tanques pode levar para a rede fluvial a contaminação dos cursos d’água. “Se (o material tóxico) for transportado para uma estação de tratamento, ele pode, dependendo da toxicidade, reduzir a carga tóxica. Além disso, dependendo da quantidade de compostos voláteis descartada e se o ambiente for confinado, pode gerar gases ou provocar explosões, caso tenha uma fonte de calor”, completa.

Com relação às latas e embalagens, segundo a cartilha sobre resíduos da Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati), o correto é inutilizar as latas com furos, cortes ou prensagem para evitar outro uso já que elas possuem poluentes e não podem ser destinadas para a coleta municipal de lixo.

Como fazer o descarte de tinta

Se a tinta for a base de látex o ideal para seu descarte é sua solidificação, ou seja, secar ela até que fique um material sólido. Para isso, basta deixar secar, ou se a quantidade for muito grande pode-se utilizar algum material para acelerar esse processo como por exemplo misturar a tinta com areia de gato. Após seca ela pode ser descartada normalmente e enviada a aterros sanitários.

Outro destino para os produtos que restaram em sua casa após a reforma, se estiverem em condições de uso, é doar para conhecidos, vizinhos, escolas, casa de repouso ou até instituições carentes. Outra dica boa é sempre reaproveitar os pincéis que você usa para aplicar os produtos. Ou seja, quando você acabar sua obra, limpe os objetos e guarde-os para uso futuro, pois eles podem ser reutilizados em outros momentos. Mas lembre-se: para tintas à base de solvente, lave as ferramentas com o mesmo solvente utilizado na diluição da tinta aplicada. Despeje os resíduos dessa lavagem e do solvente em areia, mas nunca no solo. Depois que o solvente evaporar, descarte a areia no lixo comum.

Para tintas à base de água, lave as ferramentas com água e em seguida com água e sabão. Se no local há esgoto tratado, descarte a água da lavagem das ferramentas em ralos, tanques ou vasos sanitários. Assim ela irá para a rede de esgotos, evitando impactos nos rios e córregos. Não a descarte em bueiros, bocas-de-lobo e muito menos no solo. Essa é a orientação da Campanha Pintou Limpeza.

Você também pode procurar a prefeitura de sua cidade para saber como eles lidam com materiais de difícil reciclagem, caso as demais alternativas não tenham funcionado.

Procure evitar o descarte de tinta

Para evitar descarte de tinta e até mesmo poupar o bolso, determine a quantidade de tinta necessária, ação que também faz bem para o meio ambiente. Para isso, basta medir a área a ser pintada (meça duas vezes para evitar erros) e conferir na embalagem ou com o fabricante sobre o rendimento da tinta. Procure aproveitar todo o conteúdo da embalagem com a ajuda de uma espátula. Em caso de dúvidas entre em contato com o local onde você adquiriu o produto, eles poderão esclarecer todas as suas dúvidas e informar o meio mais adequado de realizar sua pintura.

Pode-se também misturar as sobras de tinta para fazer uma cor cinza ou concreto. Mas só podem ser misturados produtos do mesmo tipo e com as mesmas características. Não junte tinta à base de água com outra à base de solvente.

Tampe bem a lata de tinta para não ressecar e garantir um próximo uso.

A lata também merece atenção

Dê um destino correto para a lata vazia. Recicle! Mesmo com restos de tinta seca, encaminhe as latas vazias para: – Uma Área de Transbordo e Triagem (ATT) autorizada pela prefeitura – Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) – Cooperativas de catadores de materiais recicláveis – Sucateiros legalizados.

As latas de aço ou alumínio são infinitamente recicláveis, podendo voltar ao ciclo da reciclagem sempre que necessário.

Fabricante também tem responsabilidade

Na cidade de São Paulo, a Lei 15.121/2010, obriga os comerciantes e produtores de solvente, tinta e verniz a serem responsáveis pela coleta dos lixos domiciliares e industriais para posterior reciclagem e reutilização das sobras dos produtos vencidos e devolvidos pelos consumidores. A fiscalização dessa nova medida fica por conta da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. Entre as punições em caso de descumprimento está prevista a cassação da licença de funcionamento.

A medida também proíbe que qualquer envolvido (comerciante, fabricante ou consumidor) descarte essas embalagens em lixo comum. Quando isso ocorrer, o responsável deverá ser denunciado pelo Ministério Público. O serviço de coleta de lixo domiciliar também está proibido de recolher esse tipo de material.

Fonte original do texto: Ecyclehttps://www.ecycle.com.br/437-descarte-de-tinta

Confira também no blog da SQ Química: XII Encontro ABRAFATI de Brigadas de Emergência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *