Exportações de veículos ensaiam reação mas acumulam queda de 26,2% entre janeiro e novembro

A foto mostra apenas a parte da frente de três carros enfileirados. Carros na cor vermelha, preta e amarela.

Notícia por Comex do Brasil – A alta surpreendente de 26,2% nas exportações de veículos em relação no mês de novembro, comparativamente com outubro, com 44 mil unidades embarcadas para o exterior foi a grande novidade do balanço da indústria automobilística divulgado hoje (7) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Leia mais no Blog da SQ Química: Importação de painéis solares cresce e empresa de Santa Catarina projeta aumento de 17% em 2020

Apesar da alta, as vendas externas são 28,5% menores entre os meses de janeiro e novembro deste ano, em relação ao mesmo período de 2019. A receita alcançada este ano totalizou US$ 6,5 bilhões, contra US$ 9,1 bilhões exportados no mesmo período do ano passado.

Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, “a alta nas exportações registrada em novembro nos surpreendeu, com mercados como a Argentina, México e Colômbia regularizando os seus estoques. Entretanto, muitas montadoras também fazem antecipação de embarques para o encerramento do ano e o total exportado em 2021 deve cair.  De qualquer forma, o total de 285.925 unidades exportadas ainda é 28,4% menor que em 2019, que já havia sido um ano de forte queda”.

Segundo o levantamento mensal da Anfavea novembro manteve o viés de alta iniciado no segundo semestre, apresentando os melhores números da indústria automobilística no ano. Exportações e produção chegaram a superar os patamares de novembro de 2019, mas o mercado interno ainda gira 7,1% abaixo do verificado no ano passado.

A produção segue impactada pelos protocolos sanitários nas fábricas e também pela falta de componentes e insumos. Em novembro foram produzidos 238.200 autoveículos, crescimento de apenas 0,7% sobre outubro, portanto incapaz de acompanhar o aumento da demanda. Esse número é 4,7% superior ao de novembro de 2019, mas naquela época havia estoque de 330 mil veículos. Hoje há menos de 120 mil veículos estocados nas fábricas e na rede, volume suficiente par sustentar apenas 16 dias de vendas. No acumulado do ano, a produção de 1.804.759 unidades é 35% inferior à do ano passado.

O mercado interno fechou com 225.010 unidades licenciadas, alta de 4,6% sobre o mês anterior, porém com queda de 7,1% sobre novembro passado. No ano, foram 1.814.470 autoveículos emplacados, volume 28,1% inferior ao dos 11 primeiros meses de 2019. Isoladamente, o setor de caminhões mantém resultados melhores que os de automóveis e ônibus. Máquinas agrícolas e rodoviárias tiveram discreto aumento na produção e nas exportações em novembro, na comparação com outubro, apesar de um ligeiro recuo nas vendas.

Leia mais no Blog da SQ Química: Vantagens da tecnologia UV na pintura automotiva

“Os bons números de novembro dão alguma esperança para um 2021 melhor, desde que a pandemia seja controlada por vacinas, e que o ambiente de negócios no país seja estimulado por medidas de controle da dívida pública e reformas estruturantes que nos permitam ser competitivos”, afirmou o Presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

“Mas antes disso teremos de superar alguns desafios imediatos em nosso setor e no país, como o aumento dos casos de covid-19, o risco de paralisação por falta de autopeças e a pressão de custos ligados ao câmbio e insumos. Tudo isso vem prejudicando uma retomada mais rápida da indústria”, concluiu.

(*) Com informações da Anfavea

Fonte original da notícia: Comex do Brasil.

Leave a Reply