Exportação de veículos registra queda de 34% e tem o pior desempenho dos últimos 21 anos

A foto mostra apenas a parte da frente de três carros enfileirados. Carros na cor vermelha, preta e amarela.

Notícia por Comex do Brasil – A indústria automobilística nacional deverá fechar o ano com um total de 284 mil unidades exportadas,  uma queda de 34% em relação ao ano de 2019, e registrando o pior volume de embarques de veículos para o exterior desde o ano de 1999. Os dados relativos a esse tombo histórico fazem parte do balanço das atividades do setor no mês de setembro, divulgados hoje (7), em São Paulo, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Leia mais no Blog da SQ Química: Vantagens da tecnologia UV na pintura automotiva

Faltando três meses para o encerramento do ano, a entidade refez suas projeções para 2020 e destacou que o fraco desempenho das exportações tem contribuído, de forma significativa, para derrubar os números de produção, que mesmo no último trimestre não conseguiram repetir os níveis dos primeiros três meses do ano, projetando para 2020 o pior resultado deste século. Em setembro foram embarcados 30.519 autoveículos, alta de 8,5% sobre agosto e queda de 16,7% sobre setembro de 2019 (encolhimento de 38,6% no ano).

De acordo com a Anfavea,  setembro fechou o melhor trimestre do ano, após os sucessivos recordes negativos do segundo trimestre, altamente impactado pela pandemia do novo coronavírus. A três meses do fim do ano, a entidade refez os cálculos indicando um cenário menos pior do que aquele apresentado na metade do ano, no auge da quarentena e da imprevisibilidade, quando se previam quedas de 40% ou mais.

Entretanto, ainda que tenha sido registrada uma recuperação nos últimos meses, as novas projeções ainda apontam fortes quedas em todos os indicadores. A produção estimada para o fim do ano é de 1,915 milhão de unidades, queda de 35% sobre 2019 e pior ano desde 2003. A expectativa da Anfavea para o mercado interno de autoveículos novos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus) é de 1,925 milhão de unidades licenciadas no ano, queda de 31% e pior resultado desde 2005.

Para o setor de máquinas agrícolas e rodoviárias, as projeções são um pouco melhores, com crescimento de 5% nas vendas, mas quedas de 4% na produção e de 31% nas exportações.

“Não deixa de ser um alívio diante do quadro que vislumbrávamos no começo da pandemia, e creditamos isso sobretudo à gigantesca injeção de dinheiro feita pelo governo federal por meio do auxílio emergencial, que fez a economia girar de forma mais rápida do que o esperado”, explica o Presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes. “Mesmo assim, teremos uma queda dramática de todos os resultados da indústria em 2020, ainda que o último trimestre seja razoável como foi o terceiro”, acrescenta.

Setembro teve queda de 11%

Os resultados de setembro consolidaram a recuperação do terceiro trimestre, trazendo certo alívio a toda a cadeia automotiva. A produção de 220.162 autoveículos foi 4,4% superior à de agosto, mas 11% menor que a de setembro de 2019. No acumulado dos nove meses, o recuo é de 41,1%. O mercado interno fechou o mês com 207.710 unidades licenciadas, alta de 13,3% sobre o mês anterior, com retração de 11,6% sobre o mesmo mês do ano passado (queda acumulada de 32,3% no ano).

Leia mais: Veja a diferença entre os tipos de tintas automotivas

Para o último trimestre do ano, a Anfavea espera números similares aos de setembro. “Se por um lado há sinais positivos, como a redução dos casos de covid-19, o alto interesse pelo transporte individual e o tradicional aquecimento do mercado no fim do ano, por outro há riscos como a redução do auxílio emergencial, a queda no nível de renda, a alta do desemprego e o aumento da inflação”, conclui Luiz Carlos Moraes.

(*) Com informações da Anfavea

Fonte original da notícia: Comex do Brasil.

Deixe uma resposta